quarta-feira, 4 de maio de 2016

Resenha de filme: “Ponte dos Espiões”




Resenha elaborada pela aluna Diana Lumi Nishida, do 3° período de Relações Internacionais, com base no filme "Ponte dos Espiões" exibido na filmografia realizada durante a Semana de Extensão do Curso de Relações Internacionais e seguida de debate conduzido pelos Professores Andrew Traumann, Gustavo Glodes Blum, Jaqueline Afonso e Michele Hastreiter.



Resenha sobre o filme “Ponte dos Espiões”

Diana Lumi Nishida

O filme “A Ponte dos Espiões”, de Steven Spielberg, é baseado em fatos reais e retrata o ápice da Guerra Fria, em que Estados Unidos e União Soviética vivem um clima de tensão e temem um ataque mútuo. As duas grandes potências mundiais possuem uma grande capacidade nuclear e militar, além de uma desavença que pode acarretar graves consequências. Dentro desse espectro, ambos utilizam espiões a fim de obter informações um sobre o outro. A obra traz algumas discussões interessantes para as Relações Internacionais, exemplificando e debatendo conceitos como soberania nacional, crise do patriotismo, negociação e gestão de conflitos entre países e diplomacia.

James Donovan, o personagem de Tom Hanks, é um advogado especializado em seguros que é designado por seu chefe para trabalhar na área de direito penal e defender um espião russo que foi pego e preso pelo FBI, Rudolf Abel. Donovan aceita e recusa-se a dar uma defesa fraca, fazendo o possível para que seu cliente seja inocentado. Destaque-se que o papel de Donovan evidencia o que todo advogado deve fazer de acordo com os preceitos do Estado de Direito, como o direito à ampla defesa, que o próprio personagem evoca no filme. No entanto, com as propagandas anticomunistas na mídia naquela época de Guerra Fria, o advogado sofre retaliações por parte dos americanos, que o consideravam um traidor.

As altas instâncias jurídicas do direito americano são mostradas como parciais - pois queriam de qualquer forma que o espião fosse condenado - enquanto a população desejava a morte do acusado. Entretanto, o filme evidencia uma grande carga humanista em Donovan, sendo ele um defensor dos direitos humanos acima de qualquer divergência de ideologia política.

Paralelo a esse caso, um piloto norte-americano, Gary Powers, é mandado à URSS no avião U-2. Todavia, ele fracassa em sua missão de espionagem e é capturado pelo governo da potência comunista. Donovan, então, é enviado para Berlim Oriental - bem na fase de construção do muro de Berlim - para realizar uma negociação diplomática para trocar Abel por Powers, a fim de cada país repatriar seu conterrâneo.

Chegando lá, ele descobre que um estudante norte-americano de economia também foi capturado, acusado de espionagem, e resolve trocar os dois por Abel, contra a vontade de seus superiores, pois inicialmente, só o piloto Gary Powers fazia parte da negociação, mostrando-nos como o governo norte-americano queria repatriar seus nacionais apenas para dizer que não os deixam desprotegidos.

Apesar do nacionalismo norte-americano de sempre, não há um maniqueísmo forçado nesse filme - em que os EUA é o lado bom contra uma malvada URSS; ao contrário, os dois lados da Guerra Fria são expostos de maneira bem realista, mostrando-nos o equilíbrio de poder entre as superpotências, a soberania entre os Estados, as negociações internacionais, o jogo diplomático e o uso da informação.


Nenhum comentário:

Postar um comentário