quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Análise em Relações Internacionais: "Bioterrorism: Then and Now"

Artigo apresentado na disciplina "Global Security" da "University of Winnipeg" do Canadá, durante intercâmbio da aluna do curso de Relações Internacionais do Unicuritiba.


* Por: Gabriela Gasperin


The United Nations define biological weapons as “complex systems that disseminate disease-causing organisms or toxins to harm or kill humans, animals or plants. They generally consist of two parts – a weaponized agent and a delivery mechanism. In addition to strategic or tactical military applications, biological weapons can be used for political assassinations, the infection of livestock or agricultural produce to cause food shortages and economic loss, the creation of environmental catastrophes, and the introduction of widespread illness, fear and mistrust among the public”[1]. The “Convention on the Prohibition of the Development, Production and Stockpiling of Bacteriological (Biological) and Toxin Weapons and on their Destruction”, that entered force in 1975 and is revised every five years, aims to control and eradicate biological military threats – but, even if not all the members of UN ratified it, is aimed mostly at states – when non-state agencies are most probable to make use of this kind of weapon.
The development and use of biological weapons in a terrorist setting can be split into three generations. The first one, the simplest in terms of technology, is the use of naturally infected with biological – harmful materials. South-American native tribes - especially the Waorani from Brazilian Amazonia – would infect the end of their arrows and darts with poison extracted from plants and some animals. In the 1960’s, during the Vietnam War, the Vietcong guerrillas used booby traps compost of sharp bamboo stakes covered with feces to promote infections in the generated wound. This set of traps were responsible for about 2 percent of the US personnel losses and injuries during the war.
The second generation is categorized by the ability to yield small portions of biological agents – although the dissemination methods still are non-complex, such as contamination of food and water or direct injection into the target. The most usual agent in this period was the ricin, even if it’s not suitable for large-scale attacks.
The third generation of biological terrorism possesses the technology to disseminate particles through an aerosol, in a range of 1-10 microns. Since this technology is recent – surging around the 1990’s – no group has perfect this kind of contamination – despite quite a few attempts around the world. The most famous case of the third generation was the anthrax attack after the 9/11 events – even if they did not use any sort of bomblets or sprays.
It is surging a fourth generation, where the attackers can modify existing agents through the advance of life sciences, such as genetic engineering. No group has declared intention on using this kind of technology, for it’s extremely complex and difficult. This possibility is used only as a fear-inducing discourse, to this moment.
In 1990’s, the city of Wasco County, Oregon, had some of its salad bars infect with the bacteria “Salmonella typhimurium”. The CDC research about the case determined that the spreading crisis was not fault of poor hygiene in the restaurants, but a deliberate attack by the group called “Rajneeshees”. The cult contaminated the water used in these restaurants with the intention of incapacitating Oregon voters – since they sought positions into the government. It was discovered after that the group – which had built a whole community – had contacts inside the Rajneesh Medical Corp., where it was being researched not only the salmonella agent but a deadlier strain of typhoid and even an HIV virus more easy to contaminate. More than 750 people were affected – in a city with around 10.000 habitants.
In 1994, the Japanese cult “Aum Shinrikyo” released then nerve gas sarin in the city of Matsumoto and, 1995, the gas was once again released on Tokyo’s subway system. In these occasions, they killed nineteen people and injured over a thousand. Despite these cases of success – and the technological and monetary resources the group had – the failed in creating an aerosolized weapon that could cause mass causalities. Despite being a religious-rooted group with apocalyptical beliefs, they indented to overthrow the Japanese government – which did not work, either.
After the 11/9 attacks, the most famous biological terrorist attack took place. In September and October of 2001, seven letters – addressed to Senators Thomas Daschle (D-SD) and Patrick Leahy (D-VT), as well as five media outlets (American Media International (AMI) in Boca Raton, Florida, the editor of the New York Post, Tom Brokaw at NBC, Dan Rather at CBS, and ABC News) – were mailed, containing a dry powder of “B. anthracis”. The attack caused twenty-two cases of infection, five of them fatal. These letters also contaminated the postal system – due to the process the letters go through the facilities -, government buildings and media offices. The total cost for decontaminating was at least $250 million dollars, and the total cost of the attack was estimated in $6 billion. After a long investigation by the FBI, the researcher Bruce Ivins was found the main suspect in the attacks – but he was never held in court since he committed suicide before that. Also, radical-Islamist movements might be involved in the case.
Despite the limited number of examples in history of biological weapons being put in action, this issue is still a threat to the international system – especially when considering the possibility of bioterrorism. 
The terrorist agencies represent a “second force” against the power of the state, working in a different measure to compensate its complications against the national, well-stabilised power.  One of the main characteristics that differentiate the terrorist’ actions is the element of surprise, the core of this kind of process. The idea of striking abruptly is to, not only catch the targeted population or government without them having time to build a comeback strategy, but to generate attention. Usually the procedure is aimed to lead the sympathy of certain groups, at the same time where they instigate fear in communities considered “enemies”. 
Over the situation, the policymakers – usually the government, those in charge of starting the process of securitization – start building a discourse of aggressively towards the threat, which, if well-built, leads to exceptional measures being taken to regenerate peace and security.
The process of generating fear is key to most of terrorist acts, since it brings commotion and leads the population to pressure their governments into acting – whether declaring the group as an enemy, and therefore legitimizing their efforts as self-defence or generating allies, especially inside the western countries.
In a process like this, the use of biological weaponry is considered, by most people, as a “barbaric way”. The horror we, humankind, feel towards sickness and those using them as warfare tools create an opportunity to generate discomfort and panic over the targeted -  a goal most of the terrorist groups claim.
Unlike nuclear, chemical and other kinds of mass weaponry, the biological agents used in attacks can be found in the environment, most of the times in places targeted by the groups. The use of genetic engineering by terrorist cells is low, since they require a level of knowledge and physical capacity these units not often possesses.
Although, the advance of science and technology, allied with the widespread of high-level education brings opportunities to those desiring to acquire a biological weapon, since the opportunity of finding someone that possesses the abilities are greater than never.
Past experiences with biological weaponry indicate the preference of toxins and bacteria over viruses, for they are simpler to transport and maintain alive. The most common strains used by terrorist groups are ricin, plague, tularemia, botulinum and anthrax, where the FBI notes that ricin and botulinum toxin are two of the most toxic substances in the world.
The biggest reason of why biological mass weapons are so alluring for terrorist unities is that it is a relatively low-cost technology. Most of the major universities have labs equipped enough to this purpose and the core is found in the wild without much trouble. Again, the information available on internet is enough to create simpler weapons, and the training many individuals possesses is competent to develop more sophisticated ones. 
In an event of biological attack, time is precious. There’s a small window between the surging of the first infected and the calamity, especially generated by the fear a biological attack would generate. There’s already a strong setting dedicated to preventing and acting in case of health events – such as hospital dedicated to controlling pandemics, vaccinations and even simpler methods, such as face masks. Despite that, no system is perfect, especially if we consider a covert attack that can be misinterpreted as a regular spread of disease, such as the flu. Despite all the modernization in the world we live in, the pathogens still exist along and, as history already stated, they can – and sometimes will – be used as weapons, and we may not be ready for when this happens.

References
Chemical and biological terrorism: Research and development to improve civilian medical response. (1999). Washington, D.C.: National Academy Press.
Clunan, A. L., Lavoy, P. R., & Martin, S. B. (2008). Terrorism, war, or disease?: Unraveling the use of biological weapons. Stanford, CA: Stanford Security Studies.

Cole, B. (2011). Changing Face of Terrorism: How Real Is the Threat from Biological, Chemical and Nuclear Weapons? I. B. Tauris & Company, Limited.

Cole, Benjamin, and Cole, Benjamin. Changing Face of Terrorism, The : How Real is the Threat from Biological, Chemical and Nuclear Weapons? (1). London, US: I.B.Tauris, 2010. ProQuest ebrary. Web. 22 November 2016.

Diskaya, A. (2013, February 1). Towards a Critical Securitization Theory: The Copenhagen and Aberystwyth Schools of Security Studies. Retrieved November 28, 2016, from http://www.e-ir.info/2013/02/01/towards-a-critical-securitization-theory-the-copenhagen-and-aberystwyth-schools-of-security-studies/

Fidler, D., & Gostin, L. (2008). Biosecurity in the Global Age : Biological Weapons, Public Health, and the Rule of Law. Stanford Law and Politics.

Floyd, R. (2007, December). Human Security and the Copenhagen School’s Securitization Approach: Conceptualizing Human Security as a Securitizing Move. Human Security Journal. Retrieved November 28, 2016, from http://www.securitehumaine.univ-cezanne.fr/

Khan, A. S., M.D, Levitt, A. M., M.A., Ph.D, & Sage, M. J., M.P.H. (2000, April 21). Biological and Chemical Terrorism:Strategic Plan for Preparedness and Response. Retrieved from http://www.cdc.gov/Mmwr/preview/mmwrhtml/rr4904a1.htm

Koblentz, G. D. (july 2009). Cornell Studies in Security Affairs : Living Weapons : Biological Warfare and International Security. Cornell University Press.

The Biological Weapons Convention. (n.d.). Retrieved from https://www.un.org/disarmament/geneva/bwc/

Bovsun, Mara. “750 sickened in Oregon restaurants as cult known as the Rajneeshees spread salmonella in town of The Dalles”. New York Daily News, June 15, 2013. http://www.nydailynews.com/.





* Gabriela Gasperin: estudante do curso de Relações Internacionais do Unicuritiba. 
Leia Mais ››

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Por Onde Anda: Thomas Renan Lampe, Analista Pleno de Desenvolvimento de Negócios e Relações Institucionais na Câmara Americana de Comércio (AMCHAM Brasil)



A seção "Por onde anda" entrevista egressos do Curso de Relações Internacionais do UNICURITIBA sobre experiências acadêmicas, profissionais e de vida concretizadas após o término do curso e é coordenada pela Prof. Michele Hastreiter e pela Prof. Angela Moreira


Nome Completo: Thomas Renan Lampe

Ano de ingresso no curso de Relações Internacionais: 2009

Ano de conclusão do curso de Relações Internacionais: 2012

Ocupação atual: Novos Negócios/ Relações Institucionais na Câmara Americana de Comércio (Amcham Curitiba)



Blog Internacionalize-se: Conte-nos um pouco de sua trajetória profissional após a formatura no curso de Relações Internacionais.

Thomas Renan Lampe: No início de 2015, após algumas experiências na área de comunicação e um período de pós-graduação em Relações Internacionais, vislumbrei na Câmara Americana de Comércio (Amcham-Curitiba) a oportunidade de ingressar em um ambiente corporativo e de fomento de negócios. A Amcham Curitiba, pelo histórico positivo de vários egressos do curso, se mostrou a oportunidade ideal para o momento.

Exerci durante um ano atuação exclusivamente comercial – o que foi bastante relevante para o meu crescimento profissional – e a partir de 2016 comecei a dividir as minhas funções de captação de recursos com atividades institucionais/governamentais.

Desde então, inclusive aproveitando o legado que internacionalistas deixaram na Amcham Curitiba em anos anteriores, passei a realizar a interlocução da instituição com empresas públicas, federações, agências de fomento, governo – em âmbito municipal e estadual. Nesse período, aproveitei a atuação para iniciar um MBA em Economia e Relações Governamentais.

A Amcham Curitiba possui atualmente cerca de 400 empresas associadas e apresenta como objetivo um melhor ambiente de negócios – considerando encontros corporativos que gerem diálogo entre os setores público e privado; boas práticas de mercado; capacitação profissional; políticas públicas saudáveis e cidadania empresarial.


Blog Internacionalize-se: Qual a lembrança mais marcante do período de faculdade?

Thomas Renan Lampe: Diversidade de opiniões – sempre com respeito mútuo – conteúdo relevante e diversificado.


Blog Internacionalize-se: Quais as aptidões e conhecimentos desenvolvidos no curso de Relações Internacionais que mais o ajudam na sua profissão atual.

Thomas Renan Lampe: Hoje, trabalho com comunicação e conhecimento de forma constante. A diversidade de conteúdo certamente me adequou a uma rotina de atualização e relacionamento no decorrer da minha vida profissional.

Um curso multidisciplinar é fundamental para criar um panorama global e uma visão mais ampla de mundo – permitindo dialogar sobre questões econômicas, políticas e de direito com outros executivos de mercado – inclusive cargos diretivos e presidenciais de grandes empresas da região.


Blog Internacionalize-se: Qual foi a experiência mais desafiadora que já teve profissionalmente?

Thomas Renan Lampe: O dia a dia na Amcham é desafiador por si só. Ambiente jovem, tarefas enormes e necessidade de se relacionar diariamente com executivos de todos os portes, cargos e segmentos. É motivador estar atualizado e com informações relevantes para poder sentar em uma mesa com um CEO de grande empresa – que provavelmente tem de carreira profissional o que você tem de idade – e conseguir negociar de forma equiparada.

No entanto, por estudar Relações Governamentais, o desafio de lidar com entes públicos é ainda maior. Lembro-me de um fato no início do ano: a Amcham Brasil, na posse do conselho em São Paulo, conseguiu trazer o presidente da República para proferir o discurso de encerramento do evento – fato que não ocorria desde a década de 90. Em Curitiba, um mês depois, com a posse do conselho regional, naturalmente a missão se tornou a presença do governador no evento. Com o prazo curto, passei a me relacionar e buscar contatos que pudessem realizar esse intermédio; frequentei alguns eventos do governo – até que em um deles consegui cerca de 30 segundos para “vender” a um representante importante do Estado a relevância da presença do governador no encontro. Na semana seguinte, a agenda estava reservada e a presença do governador, na sede da Amcham Curitiba, garantiu a presença de mais de 80 executivos de alto escalão para discorrer acerca do panorama econômico, atual contexto político e programas de investimento do Estado.


Blog Internacionalize-se: Qual conselho deixaria para os nossos alunos?

Thomas Renan Lampe: Aproveitar o ambiente dinâmico e enriquecedor que a rotina proporciona. O receio em relação ao futuro é normal – mas o curso prepara a pessoa e abre uma série de possibilidades em áreas correlatas que o profissional de Relações Internacionais se encaixa com certa facilidade.


Blog Internacionalize-se: Como é o dia a dia do trabalho na Amcham? Que atividades desempenha?

Thomas Renan Lampe: A Amcham é subdividida em quatro áreas: aquisição, relacionamento, produtos e serviços e desenvolvimento de negócios – a qual lidero atualmente. Possuo uma meta de captação de recursos para as atividades que a Amcham realiza durante o ano – sendo parte considerável oriunda de empresas públicas. Contribuo em novos negócios, como, por exemplo, associação de grandes empresas, parcerias sociais – recentemente acertamos um Camarote Amcham no Couto Pereira para uma interação entre executivos durante as partidas; organização de eventos governamentais – em maio recebemos o relator da reforma tributária na Câmara dos Deputados para um debate com a iniciativa privada e recentemente um café com todos os secretários municipais – e o vice-prefeito – para a abertura do diálogo e formas de como a Amcham pode auxiliar a gestão municipal; além das atividades cotidianas institucionais – participação em eventos e representação em encontros promovidos por outras entidades.

Considerando que a rotina inclui uma série de reuniões com executivos, também procuro separar, sempre que possível, um tempo pela manhã, para leitura e atualização.


Blog Internacionalize-se: Que dicas ou conselhos dariam para os alunos de RI que ainda estão em dúvida quanto ao futuro profissional?

Thomas Renan Lampe: Com dois anos e meio na Amcham, é possível perceber que a maioria das empresas procura um profissional que tenha empatia com o restante da equipe, comprometimento e respeito pelo lugar onde está, mas acima de tudo, seja proativo e saiba o momento de utilizar essa qualidade. Nesse perfil, o internacionalista – pela flexibilidade e a predisposição em relação à diversidade de opiniões – encaixa no cenário corporativo.

Percebo também a variedade de áreas que egressos trabalham atualmente – o que certamente é um ponto positivo. Uma recomendação: a área comercial – pelo menos no início de carreira (caso a pessoa não tenha aptidão e gosto para seguir) é uma experiência bastante relevante no sentido de aprimorar postura, vocabulário, perfil de negociação e comunicação de uma forma geral.

Além disso, independente da área em que você está – aproveite o início da sua carreira para engajar-se em algumas ideias. Como exemplo, antes de me consolidar na Amcham Curitiba, co-criei um projeto para a inserção de pessoas e empresas no contexto histórico e cultural da cidade – que inclusive se tornou micro empresa e consequentemente uma fonte de renda na época. Esse período me abriu algumas portas; trouxe comprometimento profissional para a minha rotina e de certa forma moldou o meu desejo de trabalhar em um ambiente voltado para os negócios.
Leia Mais ››

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Teoria das Relações Internacionais em destaque: "Interdependência, Globalização e Feminismo".

 Artigo apresentado na disciplina de Teoria das Relações Internacionais 1, ministrado pela profa Dra Janiffer Zarpelon, do curso de Relações Internacionais do Unicuritiba.


* Alejandra Alcon Morais


Historicamente o sistema internacional vem passando por mudanças muito significativas. Comumente, tais mudanças originam-se no cenário nacional devido a transformações sociais e vão caminhando para a esfera global. Alguns problemas internos, como por exemplo, os econômicos, podem ser solucionados com a ajuda de um outro agente internacional, o que gera para o Estado com o problema uma certa dependência em relação ao Estado que o auxilia. Alguns autores defendem a ideia de que no sistema internacional, os Estados são egoístas e unicamente buscam ter relações com os outros se isso for beneficiar-lhes de alguma forma. Seguindo essa linha de pensamento, um Estado só estaria disposto a ajudar o outro, se este primeiro também se beneficiasse de alguma forma, criando uma situação que daria inicio a uma relação de interdependência.
Por uma visão liberal, a interdependência tende a significar paz e cooperação, porém, a sua definição vai muito além disso. Mesmo em um cenário onde existem varias relações de interdependência, as lutas pelo poder continuam. Sob uma visão analítica, a interdependência acontece em situações em que determinados acontecimentos em distintas partes do sistema internacional, acabam afetando outros Estados. A origem de uma interdependência pode dar-se por fenômenos naturais, como por exemplo, catástrofes naturais, ou por fenômenos sociais, como os econômicos. A interdependência também pode surgir quando um fenômeno natural afeta a todo o sistema internacional, este tipo, é denominado de interdependência ecológica, pois em questões climáticas, todo o globo é afetado. Por esse motivo, nesta interdependência, entra em debate questões de segurança climática no cenário global.
Algumas vezes os benefícios da interdependência são analisados e classificados segundo seus resultados. Uma dependência mútua será considerada positiva quando ambas as partes obtiverem benefício. Se ela resultar em uma classificação negativa, significa que não houve vantagem para nenhuma das partes. Finalmente, quando for de resultado zero, significa que o ganho de um Estado é a perda do outro. 
Alguns analistas liberais acreditam que futuramente a cooperação substituirá a competição nas relações de interdependência, pois acreditam que os benefícios obtidos pelas relações comuns incentivarão os Estados a cooperar. Já outros autores acreditam que esse fato não seria possível, pois os Estados mais fortes ou desenvolvidos poderiam usar a interdependência econômica como uma arma para ter certo nível de controle sobre os Estados mais fracos. Em alguns casos as relações de interdependência como armas podem ser inclusive mais efetivas que o uso da força, por ter um resultado mais sutil. 
Os custos da interdependência podem gerar em curto prazo uma sensibilidade referente à rapidez em que as mudanças em uma determinada região do sistema internacional afetam a outra. Já em longo prazo, podem criar uma vulnerabilidade referente aos valores relativos de mudar a estrutura de um sistema internacional. Esta última depende do grau de rapidez que uma sociedade internacional reage às mudanças, e também da existência de substitutos. 
A interdependência também pode ser analisada por graus de simetria, que são referentes a dependências relativamente equilibradas e desequilibradas. Ser menos dependente pode ser uma fonte de poder, já que o Estado menos dependente poderia ter mais autonomia e conseguir manipular as assimetrias da interdependência na política internacional. Porém, nem sempre o maior Estado é o que consegue manipular (mesmo que seja na interdependência econômica) o outro. Se um Estado mais fraco tem um nível superior de envolvimento na questão discutida, este pode ter vantagens sobre os outros.
Os cientistas sociais estudam um tipo de dependência comum idealista. Esta recebe o nome de interdependência complexa e conta com uma política mundial diferente. Nela, os Estados não são os únicos protagonistas importantes no cenário internacional, pois existem atores transnacionais que atuam além das fronteiras estatais; a manipulação econômica e o uso de instituições internacionais passam a ser mais relevantes que o uso da força; e a segurança perde o seu lugar para a guerra, que passa a ser a nova meta dominante. O atual cenário internacional situa-se em algum ponto entre os modelos simples de dependência comum e a interdependência complexa. 
O filósofo e cientista Jean-Jacques Rousseau viu que a interdependência gera certos atritos e conflitos no cenário internacional, e sua solução para esse problema seria o isolamento e quebra das relações de dependência. Porém essa saída apontada por Rousseau seria quase impossível de se concretizar em um mundo globalizado onde a maior parte dos Estados dependem fortemente de seus laços com outros agentes internacionais. 
O cenário internacional encontra-se cada vez mais globalizado. Embora ainda não exista uma definição mundialmente aceita para o termo, ela pode ser definida como um processo no qual as fronteiras nacionais tornam-se mais permeáveis, devido ao avanço tecnológico, que possibilita a abundante troca de informações entre as pessoas ao redor do mundo. A globalização é analisada em todos os aspectos das relações humanas.
Joseph Nye julga a globalização como o aumento da interdependência e a considera tão antiga quanto a história, com a diferença de que atualmente as relações são mais sólidas e complexas. Mesmo que esta seja considerada o aumento das redes mundiais, esse fato não implica na sua universalização, pois grande parte da população mundial não tem acesso a tudo aquilo que é acreditado como efeito da globalização.
Existem duas categorias nas quais os estudiosos são classificados de acordo com sua visão sobre a globalização. Por um lado estão os otimistas, que enaltecem as oportunidades, liberalizações e prosperidade que foram propagadas ao redor do mundo. Do lado oposto, estão os pessimistas, que veem a globalização como um processo que fez a divisão entre ricos e pobres mais intensa e aparente, onde existe uma pequena elite econômica nos Estados mais desenvolvidos, enquanto a população miserável nos demais Estados aumenta cada vez mais. 
Encontram-se diversos tipos de globalização, entre eles está a ambiental, que é considerada como a mais antiga por englobar questões sanitárias como a epidemia da varíola ou até mesmo as mudanças climáticas; a militar, que compreende redes de interdependência que utilizam a força ou o uso da mesma; a tecnológica, que capta a propagação da aplicação prática do conhecimento científico; e dentre muitas outras, há também a globalização social que faz possível a disseminação de pessoas, culturas e ideais, como por exemplo as ondas feministas que começaram a alastrar-se a nível internacional. 
Com a globalização, o pensamento feminista conquistou dimensões mundiais, porém como é usual, não há um único ponto de vista em relação ao feminismo, o que existe, são várias concepções que ilustram as diferenças sociais baseadas no gênero, que são fundamentadas em perspectivas positivistas e especificamente as visões feministas de Relações Internacionais, que vem da pós-positivista. Esta última busca compreender como o universo patriarcal cria discursos e práticas violentas nas relações entre os Estados e dentro deles. Todas as visões compartilham a mesma base, que é a busca do fim da hierarquia de gênero para atingir a igualdade social entre homens e mulheres. No âmbito das relações internacionais, a função do feminismo é relatar a exclusão das mulheres da exposição teórica das relações internacionais, pois acreditam que não seja possível aceitar que o discurso masculino seja o único capaz de representar tanto os homens quanto as mulheres. 
Uma outra corrente do feminismo, busca estabelecer uma concepção que reconheça a interdependência necessária entre ambos os gêneros e a terra, que seja baseada no respeito e na igualdade para que possa haver uma superação de todas as maneiras de opressão na sociedade. Os adeptos desta corrente recebem o nome de ecofeministas. 
O feminismo conta com três grandes ondas que foram formando-se e criando força ao longo dos séculos. A primeira onda teve início no século XIX, e buscava principalmente conquistar os direitos políticos e especialmente o direito ao sufrágio. A segunda onda teve lugar entre 1960 e 1980. Ela resgatava vários pontos que já estavam sendo debatidos anteriormente na primeira onda, mas mantinha um foco maior nas questões de igualdade, de poder decisório sobre o corpo, como a questão do aborto, e no fim da discriminação de gênero. Finalmente, a terceira onda começou em 1990, e também é considerada uma continuação dos temas discutidos nas fases anteriores. Nesta, predomina uma visão pós-estruturalista do gênero e da sexualidade, contando também com movimentos das classes excluídas e minoritárias (não apenas das mulheres) buscando mudar as relações de poder. 
A globalização ajudou que as ondas do feminismo se propaguem mais rápido e com mais força por todo o cenário internacional, e decorrente dessa disseminação muitas mulheres ficaram conhecidas por suas obras e contribuições para o movimento. Um exemplo desse reconhecimento é a Simone de Beauvoir, que foi uma das vozes principais da segunda onda. Com seu livro "O Segundo Sexo", publicado em 1949, Beauvoir mostra que a visão da feminilidade é uma criação social para delimitar a participação das mulheres na sociedade. Sua ideia principal nessa obra era acabar com a suposta “natureza feminina”, que forçava as mulheres a se verem mantidas na dependência e no segundo plano.
Atualmente as mulheres estão ganhando cada vez mais espaço tanto no cenário nacional, quanto no internacional. Frequentemente vemos mulheres ocupando cargos que anteriormente eram destinados apenas para os homens, como por exemplo, a chefia de um Estado. Os direitos reclamados pelas ondas do feminismo estão sendo progressivamente conquistados a níveis globais. Por fim, a junção da interdependência com a globalização está possibilitando um aumento de troca de informações entre as nações, que permite uma maior cooperação entre os povos dentro do sistema internacional. Tais avanços no cenário global deixam perceptíveis as pequenas mudanças que pouco a pouco vão crescendo e caminhando para construir uma sociedade internacional livre de preconceitos. 


REFERÊNCIAS:

SARFATI, Gilberto. Teoria das Relações Internacionais. 1.ed. São Paulo: Saraiva, 2005. 384p.

* Alejandra Alcon Morais: estudante do curso de Relações Internacionais do Unicuritba. 
Leia Mais ››

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Refletindo sobre a Economia - Brasil: Investimento em Educação e Desenvolvimento 



A seção "Refletindo sobre a Economia" traz textos desenvolvidos pelos alunos na disciplina de Economia Brasileira, sob a orientação da professora Patricia Tendolini Oliveira. A seção busca debater diversos aspectos relacionados à economia e sua importância no mundo atual. As opiniões relatadas no texto pertencem aos seus autores, e não refletem o posicionamento da instituição.




Brasil: Investimento em Educação e Desenvolvimento 

Gabriel Thomas Dotta*



Quando se pensa em investimentos estatais, as principais coisas que nos surgem à cabeça são educação e saúde. A despeito de discordâncias teóricas, que se refletem nas diferentes relações dos países com tais setores, pode-se argumentar que, neles, o Estado ainda tem o dever político de ser provedor. Esse pensamento ecoa em resoluções internacionais, como a que estipula a universalidade da educação primária como meta para todos os Estados. Somado a isso, é quase consensual a relação entre educação e desenvolvimento, ilustrada pelo próprio cálculo do Índice de Desenvolvimento Humano, que conta em sua composição com um indicador de educação.

Esses dois pensamentos, juntos, constituem as principais fundamentações do investimento em educação, tema do presente texto, aplicado ao caso brasileiro. De forma breve, serão abordadas algumas teorias sobre a relação entre educação e desenvolvimento; o histórico da educação no Brasil desde a Constituição Federal de 1988; e a situação atual de tais investimentos, a partir das recentes alterações promovidas no campo.

As teorias e estudos empíricos que relacionam a educação ao desenvolvimento surgem a partir dos anos 1960, sendo genericamente chamadas Teoria do Capital Humano. Preconizam, em última instância, o hoje consensual: que o investimento na capacidade humana pode implicar no desenvolvimento dos países e em sua competitividade internacional.
O fundamento para tanto é o de que a educação, além de ter efeitos privados, isto é, sobre aqueles que se educam, também causa uma série de externalidades sobre o todo da sociedade em que se encontram.

Com relação aos efeitos privados, entre outras coisas, entendem que a educação eleva os salários via aumento de produtividade, aumentando a expectativa de vida em razão da eficiência na utilização dos recursos familiares e reduzindo o tamanho da família, tendo menos filhos.

Os efeitos externos, por sua vez, são vistos como tanto indiretos, quando os indicadores socioeconômicos são afetados em razão do aumento de renda que decorre da educação, quanto diretos, quando se constata que a correlação existiria ainda sem um aumento de renda.

Os estudos empíricos destacam, em geral, que os principais indicadores  de desenvolvimento afetados pela educação são: o crescimento econômico, em que o aumento da educação eleva a renda per capita dos salários industriais; o crescimento populacional, que é mais rapidamente estabilizado; e a mortalidade, que é reduzida, e longevidade, estendida.

Importantes críticas, no entanto, devem ser feitas a toda essa corrente de pensamento. Estas são colocadas sobretudo por pensadores marxistas da educação: a Teoria do Capital Humano, intencionalmente ou não, mascara as desigualdades, ignora fatores estruturais – nacionais e internacionais – e deposita no indivíduo a responsabilidade única por sua condição social.

Em nível individual, radicalizando-se a meritocracia, perspectivas de classe ou outros recortes sociais são deixados de lado. Em nível de desenvolvimento nacional, a educação é vista como a solução dos problemas. A desigualdade entre as nações é mascarada como questão conjuntural, passível de resolução pela formação de recursos humanos, e não estrutural, decorrente das relações imperialistas na divisão internacional do trabalho.

As perspectivas críticas evidenciam ainda o fato de a educação deixar de ser vista como um fim em si mesma, passando a ser uma prática mediadora de crescimento econômico que acaba por satisfazer os interesses do capital. A escola, assim, oferece um saber deformado, útil ao capital. E em um cenário de interdependência, torna-se imperioso que os países adaptem-se a tal modelo para que permaneçam competitivos dentro do sistema vigente.

Desnecessário deveria ser frisar que tais perspectivas não se opõem ao investimento em educação ou mesmo negam seu impacto no desenvolvimento dentro do quadro capitalista. Apenas ressaltam que tais investimentos se pautam nos interesses do capital, levando à perpetuação do sistema capitalista ao tomarem-no como dado; por isso propõem que a pedagogia tenha como referência a transformação da sociedade, e não sua manutenção – devendo fugir, portanto, dos princípios da racionalidade mercantil.

Feitas tais reflexões, passemos a análise do caso brasileiro. A Constituição Federal de 1988 estipula a gestão descentralizada do ensino, em que os municípios devem atuar prioritariamente na educação infantil e ensino fundamental; os estados e distrito federal no ensino médio; e a União deve organizar um sistema federal de ensino, além de prestar assistência financeira e técnica aos municípios, estados e DF. A CF estipula a vinculação de receitas à educação: a União deve investir ao menos 18% da receita dos impostos; e os municípios, estados e DF, 25%.

Entre 1996 e 2006, vigorou o Fundef, meio de redistribuição de recursos da educação entre estados e municípios. Em 2007 foi criado o Fundeb para tal função. Em linhas gerais, um percentual da arrecadação dos estados e municípios é alocado em um fundo e redistribuído entre estados e municípios de acordo com o número de alunos da rede pública local. O Fundeb contempla todos os níveis e modalidades da educação básica (do ensino infantil ao médio), diferente de seu antecessor, que só assistia o ensino fundamental.

Entre 1995 e 2005, os investimentos em educação apenas acompanharam o crescimento da economia brasileira, oscilando, somadas todas as esferas, em 4% do PIB. A partir de 2006, durante a gestão Lula, passaram a crescer constantemente, em 2010 atingindo 5% do PIB (equivalente a R$ 194,8 bilhões, contra R$101,4 bilhões em 2003). Nesse tempo, a participação dos municípios no financiamento aumentou de 27,9% para 39,1%. Ainda assim, o gasto federal aumentou consideravelmente: em 2005, foi de R$22,7 bilhões; em 2010, chegou a R$47,7 bilhões.

A partir dos anos 2000, verificou-se uma clara priorização do ensino fundamental, que naquela década absorveu 60% de todo o investimento em educação. A parcela investida no ensino superior, ao contrário, diminuiu, muito embora tenha havido uma grande expansão nas matrículas de graduação.

Comparativamente aos demais países, o valor gasto por aluno na educação básica no Brasil ainda é muito baixo. A parte mais discrepante é na educação infantil: menos da metade do gasto no Chile e quatro vezes menos que a média da OCDE; no fundamental, é compatível com os demais latinoamericanos; no médio, porém, o investimento reduz-se, enquanto nos demais países aumenta. Ao contrário, no ensino superior, o gasto por aluno no Brasil é próximo ao da OCDE e mais elevado que o restante da América Latina.

A qualidade do ensino, porém, é o maior problema da educação pública brasileira. Na OCDE, em se tratando de educação básica, a maior parte dos investimentos é direcionado ao pagamento de salários dos professores.

O Plano Nacional de Educação, entre outras coisas, objetiva uma expansão dos investimentos em educação, lastreados pelo PIB. O último Plano, que vigorou até 2011, previa de início a ampliação do investimento para 7% do PIB, mas o ponto foi vetado pelo Pres. Fernando Henrique Cardoso.

O Plano atual vigora desde 2014. Sua meta estipula que o investimento público deve atingir, no mínimo, 7% do PIB até 2019 e 10% até 2024. Trata-se de um objetivo muito ambicioso, que requereria muito maior participação da União. Em estudo de viabilidade, as sugestões do IPEA para possibilidades de financiamento na ampliação foram: renda do pré-sal; criação do Imposto Sobre Grandes Fortunas (previsto na CF, mas ainda não regulamentado); e ampliação do Imposto Sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação.

Em 2013, foi sancionada por Dilma lei que vincula parte dos royalties da exploração do pré-sal à educação. Estudos indicavam que, de início, R$ 6 bilhões iriam para a educação. A medida, no entanto, frustrou-se, sobretudo por ter sido o cálculo feito com base no alto preço do petróleo à época, US$ 60. Em 2015, o preço atingiu seu valor mais baixo em 12 anos: US$ 28. A medida, por si, mostrou-se muito insuficiente – mas ainda assim, um avanço.

No fim de 2016 o preço do barril voltou ao patamar de US$ 54, indicando novos importantes ganhos para a educação por meio dos royalties. Naquele ano, R$ 2,44 bilhões foram registrados pelo Fundo Social. Valor ainda baixo se comparado às primeiras estimativas, mas relevante. Não obstante o regime privatizante de partilha do pré-sal, mantém-se a legislação do Fundo Social.

Finalmente, duas notas devem ser feitas com relação à situação atual: a emenda constitucional de teto dos gastos e a reforma no ensino médio por medida provisória, ambas de autoria do Governo Temer.

A emenda, que tem por objetivo equilibrar as contas públicas, prevê que, a partir de 2017, por vinte anos, com possibilidade de revisão em dez anos, a União não possa ter gastos superiores aos do ano anterior, corrigidos pela inflação: impede que os investimentos tenham qualquer crescimento real.

Segundo o governo, a EC estabelece um “regime especial” para a Educação, que a salvaguarda. É mantido um piso de investimento de 18% da receita líquida do governo mais o acréscimo da inflação. Já há anos, porém, que o mínimo obrigatório é amplamente superado.

Não obstante a manutenção do mínimo e a salvaguarda contra um teto setorial, são inegáveis os danos que a medida traz para a educação. Isto pois o gasto total do governo federal (do ano anterior, corrigido pela inflação) é que deve ser respeitado. É dizer: para o governo investir mais em educação, obrigatoriamente deve reduzir o orçamento de outros setores. Tal restrição apresenta um obstáculo inegável à expansão do investimento.

Considerando que as principais fontes de receita do investimento em educação básica não são da União, é possível argumentar que não haverá grandes perdas. Por outro lado, como visto, a busca pela meta de investimento de 10% do PIB em dez anos requereria precisamente a maior participação do governo federal. De imediato, a EC invalida a duramente conquistada meta.

Por fim, a reforma do ensino médio, feita por medida provisória – unilateralmente pela presidência, sem qualquer debate com a sociedade – altera alguns pontos do também duramente conquistado Fundeb. Para fins de financiamento, a medida prioriza o ensino médio, competência dos estados e DF, em detrimento da educação infantil, creche e pré-escola. Por um lado, de fato, o ensino médio recebia um desfalque no investimento. Por outro, o ensino infantil, de suma importância, encontrava-se em igual situação, agora piorada. Ademais, é crescente a demanda social por creches.

É também importante mencionar a questão dos conteúdos. A medida “flexibiliza” o ensino ao criar possibilidades específicas de trajetória para o ensino médio; e algumas disciplinas deixam ser obrigatórias.

É preciso questionar até que ponto tais medidas são apropriadas, considerado a desigualdade geográfica e que as escolas não serão obrigadas a ofertar todas as linhas de formação. E, considerando a baixa qualidade do ensino, com suas primeiras etapas agora ainda mais negligenciadas, até que ponto os estudantes têm a capacidade, mesmo no raro caso de terem todas as opções disponíveis, de decidir, aos 15 anos, por um itinerário formativo.

É quase consensual que a medida mais urgente a ser tomada para a melhora da qualidade no ensino básico é a valorização do professor. Neste ponto, a medida ainda vai no caminho oposto, ao retirar a obrigatoriedade da licenciatura na busca paliativa de suprir a carência de profissionais.

A medida também estabelece a expansão do ensino médio ao tempo integral. Deixando de lado o debate quanto à pertinência da política, ressaltada pela altíssima evasão escolar nas famílias de menor renda, é evidente que a medida demanda também uma expansão nos investimentos. Do contrário, a tendência é de ainda maior perda de qualidade. A política macroeconômica da União, no entanto, vai em direção oposta a tal necessidade.

Finalmente, a obrigatoriedade ou não das disciplinas está sujeita à ainda não regulamentada nova Base Nacional Comum Curricular. As diretrizes da MP, porém, sinalizam para a priorização dos conhecimentos “práticos”. Neste ponto, conclui-se ressaltando com justiça a crescente pertinência das críticas marxistas à Teoria do Capital Humano; nas palavras de Cristina da Silva: “a educação continua servindo ao capital, seja formando a mão de obra e o tipo de homem que é útil para este sistema, ou seja pelo mascaramento das relações sociais e desigualdades provocadas pelo modelo.”

Referências do texto:

http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/pre-sal-decola-em-2016-e-ajuda-educacao-7pgnvibmcbwea83ouvwrdl6tp
Cristina da Silva, Edilaine. Teoria do Capital Humano e a Relação Educação e Capitalismo.
De Barros, Ricardo Paes; Mendonça, Rosane. Investimentos em Educação e Desenvolvimento Econômico.
Franca, Maíra Penna. Perspectiva do investimento público em educação: é possível alcançar 10% do PIB?
http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/01/160104_royalties_educacao_pai
https://www.cartacapital.com.br/educacao/reforma-do-ensino-medio-e-um-retorno-piorado-a-decada-de-1990

Referência da imagem:


*Gabriel Thomas Dotta é acadêmico do curso de Relações Internacionais do Centro Universitário Curitiba (UNICURITIBA)
Leia Mais ››