sábado, 9 de março de 2013

Uma nada ilustre desconhecida: La France de Vichy

                             Placa comemorativa ao fim do regime de Vichy em Marseille,França.

*Por Ana Caroline Moreno



À margem de muitos livros didáticos pelo mundo e dentre as mais vergonhosas memórias francesas (junto à coroação de Guilherme II no Palácio de Versailles, provavelmente...), eis a França de Vichy ou Le Régime: o “período negro” contemporâneo francês, que se inicia com o fracasso da ingênua Linha Maginot e cujo fim – que completará sessenta anos em 2014 – dá-se com a intervenção dos exércitos de Gaulle e ajuda aliada.  

Rapidamente derrotados pela Alemanha, os franceses viram seu país vizinho e rival histórico impor um armistício nada favorável em 1940, apenas 10 meses depois do início da guerra. O armistício assinado pelo Primeiro-ministro Phillipe Pétain evitou uma fuga total da liderança francesa para seus territórios na África, mas não a ocupação militar de três quintos da França e sua completa submissão política. O verbo “occuper”, inclusive, possui mesmo ares de tabu atualmente, e alguns franceses ainda evitam utilizá-lo.

A humilhação franca já começa com a assinatura do tratado, em mais capítulo da série ‘revanches históricas’ – Hitler exige que ela aconteça no mesmo vagão onde a Alemanha se rendera ao final da I Guerra, colocado no mesmíssimo lugar em que estivera em 11 de novembro de 1918. O país é então divido em duas zonas, sendo o norte e oeste ocupado pelas tropas germânicas e italianas e o sul transformado em um governo fantoche.
Além de perder suas colônias na África, romper relações diplomáticas com a Inglaterra e sofrer grande êxodo popular interno e externo (segundo o historiador Jean-Pierre Azéma, ao menos seis milhões de franceses abandonaram suas casas no início da ocupação), o governo colaborador viu-se obrigado a mandar os judeus franceses a campos de concentração nazistas e mais uma vez a Alsácia-Lorena trocaria de dono, passando outra vez ao controle alemão. A dominação desta deu-se através de uma administração civil, não militar, o que sujeitou parte da população local ao recrutamento militar alemão, com o objetivo de lutar contra as forças aliadas das quais a França originalmente participava.

O exército francês “livre” é reduzido a cem mil homens, as tropas são desarmadas e – numa irônica inversão da I Guerra – o país é responsabilizado pela invasão, devendo assim arcar com as despesas militares alemãs e outras indenizações. O regime é geralmente dividido em quatro fases ou “vagues”: Vichy reacionária, entre 1940 e 1941 - por haver dentro do governo títere diversos setores da direita, dos conservadores aos reacionários; Vichy tecnocrata, até 1942, com ênfase na produção industrial; Vichy pragmática, até 1943, na qual o líder Pierre Laval tenta remeter mais lucro à Alemanha em troca de maior independência e por fim, Vichy miliciana, fase de maior alinhamento ao nazismo e combate à resistência nacional.
Essa resistência, liderada por De Gaulle, agia desde o começo da ocupação nazista. Seus partisans encontravam-se tanto na zona ocupada como na zona livre, assim como em países não-ocupados, principalmente na Inglaterra – onde o próprio De Gaulle se exilara. Entretanto, apenas após o desembarque dos aliados na Normandia em junho de 1944 é que a resistência consegue libertar a zona ocupada, tendo como maior marco a “Batalha por Paris” em agosto do mesmo ano. Mas tal triunfo ficara embaçado pelos quatro anos de ocupação alemã e pela a perda de 25% da população judia.

Razões dentre as quais Marechal Pétain seria julgado por colaboracionismo e alta traição após a guerra, e pelos quais cumpriria prisão perpétua até sua morte em 1951. A “raposa velha”, como apelidado pelos alemães, argumentaria ter sido o ‘escudo’ francês durante o conflito, enquanto Marechal de Gaulle e os outros heróis da resistência teriam sido a ‘espada’. Em seu julgamento, uma das poucas declarações dadas por Pétain sustentou seu ponto de vista maquiavelista de justificar os meios pelos fins desejados: "Um marechal francês jamais pede perdão. Só Deus e as próximas gerações poderão julgar. Isso basta à minha consciência e à minha honra. Deposito toda a minha confiança na França".

*Ana Caroline Moreno é graduanda em Relações Internacionais pelo Centro Universitário Curitiba (UNICURITIBA)



2 comentários:

  1. "Não existem fatos, apenas interpretações." Nietzsche.
    Ah, e como as interpretações da história são irônicas! Se o general Charles de Gaulle é considerado o libertador da opressão nazista na França, Jean Moulin e a resistência francesa são o que nessa história?
    Pétain aderiu e apoiou a ocupação do exército inimigo, porque viu nessa atitude a resposta para a França; De Gaulle fugiu para a Inglaterra, e liderou a resistência!? Enquanto isso Jean Moulin resistiu e liderou ações de ataques contra os alemães com sabotagens e guerrilhas, vivia escondido na clandestinidade e protegido por uma rede de apoio, sofreu tortura e foi morto desejando ver os franceses livres da opressão do inimigo. E no entanto De Gaulle volta para a França após a guerra e é recebido com louvores de campeão, herói e ídolo. Sem falar que para os nazistas De Gaulle era uma franga que se refugiou na Inglaterra e deixou os franceses. Para se redimir com o povo francês, concede a Jean Moulin um funeral com honras no Pantheon; não tanto para honrar Moulin, mais para sua remissão mesmo. Irônico no meu entender, muito mais do que assinar um documento num trem. Mas sempre tem alguém querendo levantar um novo Ídolo!

    ResponderExcluir
  2. Entre os anos 1938 e 1945, Minas Gerais e Rio de Janeiro receberam a visita do grande escritor francês Georges Bernanos. A É Realizações Editora, que tem publicado traduções das obras de Bernanos, acaba de lançar “Sob o Sol do Exílio: Georges Bernanos no Brasil (1938-1945)”. Nesse estudo, Sébastien Lapaque conta detalhes da passagem do escritor pelo país, sua revolta contra a mediocridade dos intelectuais e a França de Vichy, sua amizade com pensadores brasileiros e a visita que Stefan Zweig lhe fez à véspera de se suicidar.

    Matérias na Folha de S. Paulo a propósito do lançamento do livro:
    “Descendentes de Bernanos estão espalhados pelo Brasil”: http://goo.gl/ymS4lL
    “Sob o sol de Barbacena”: http://goo.gl/O8iFve

    Para ler algumas páginas de “Sob o Sol do Exílio”: http://goo.gl/6hAEOM

    Confira também:
    Diálogos das Carmelitas: http://goo.gl/Yy3ir3
    Joana, Relapsa e Santa: http://goo.gl/CAzTTk
    Um Sonho Ruim: http://goo.gl/Kd091z
    Diário de um Pároco de Aldeia: http://goo.gl/ISErLc
    Sob o Sol de Satã: http://goo.gl/qo18Uu
    Nova História de Mouchette: http://goo.gl/BjXsgm

    ANDRÉ GOMES QUIRINO
    mkt1@erealizacoes.com.br
    (11) 5572-5363 (r. 230)

    ResponderExcluir